Dentro dos fundamentos da Umbanda encontramos o mistério das horas planetárias e sua ação dentro da estrutura espiritual no plano físico.

A luz solar é um elemento energizador que promove uma limpeza, uma “varredura” espiritual no plano físico, sanando nosso ambiente energético e eletromagnético, proporcionando uma maior ativação energética. Enquanto a ausência da energia solar propicia o acumulo de energias deletérias. Por isso grande parte dos trabalhos de magias negativas são realizados no período de maior escuridão.[1]

Somos frutos do meio e automaticamente somos influenciados energética e espiritualmente pelo período de exposição solar ou se assim preferirem pelo giro do planeta. E seu movimento de rotação e translação altera nosso campo energético[2]. Tanto é verdade que de dia sentimo-nos mais energizados e bem-dispostos e a noite desenergizados e sonolentos. O mesmo serve para o verão e para o inverno.

Na estrutura energética, espiritual e dimensional de nosso planeta existem algumas estruturas que podemos chamar de aberturas ou Portais dimensionais e magnéticos. Quando determinadas regiões de nosso planeta passa por alguns desses portais eles acabam por desencadear uma influência energética, magnética e espiritual sobre ela.

Podemos, para facilitar o entendimento, dividir nosso planeta em um quadrante: Norte /Alto; Sul / Baixo; Oeste /Esquerda; Leste /Direita[3].

Com isso entendido, a Umbanda fundamenta seu mistério das horas não por acaso, e estabelece um significado de maior importância a determinado horário[4], em especial as horas denominadas de grandes e pequenas.

Assim fundamenta-se na Umbanda o horário das 6h00 e das 18h00 como as horas pequenas e o horário das 12h00 e da 0h00 (meia-noite) como horas grandes[5]. Sendo o compreendido o horário das horas intermedias ou neutras das 6h00 as 18h00[6].

Assim temos o horário das 6h00 como a primeira hora pequena. Esse horário abre-se o portal de vibrações curadoras, renovadoras, transmutadora que chamaremos de Portal de luz ou Portal angelical[7], onde os primeiros raios solares se expandem por determinada região do planeta[8], realizando uma verdadeira assepsia áurica e energética sobre determinada região, reorganizando, energizando, reestruturando e recolhendo o que precisa ser recolhido, restruturado, reorganizado e energizado.

Temos as 12h00 a primeira hora grande, que é o momento em que temos uma maior exposição solar, energética e magnética, onde as vibrações crísticas e solares estão mais fortes, puras e elevadas. Esse momento também marca uma transição energética, pois é a partir daí que o sol começa a “perder” sua força sobre determinada região. A esse portal chamamos o Portal de Oxalá.

As 18 horas chega a segunda hora pequena da Umbanda, onde recebemos uma imantação especial que ajustará o ambiente para a próxima hora grande. Esse Portal é conhecido como Portal do Anjo da Guarda. Pois a partir dessa hora nossa região planetária começa a absorver ou a ter um magnetismo mais denso.[9]

Aqui vamos fazer um parentese: para algumas tradições as 21 horas abre-se um novo Portal que é o portal dos Guardiões Planetário, onde a atuação desses seres se intensificam em nossas vidas[10].

A meia-noite[11], vigiado e amparado pela falange dos Guardiões Planetário, abre-se o portal da segunda hora grande, que é um portal de misericórdia, onde seres de energias e vibrações mais densas tem acesso ao nosso planeta para que possam se despertar da hipnose sombria e acordar para o humanismo ainda existentes neles. Para que assim possam ser encaminhados e direcionados pela equipe de socorristas noturnos (Exus e Pombagiras) aos seus locais de recuperação e refazimento, sempre dentro da Lei Maior e do merecimento de cada um. Esse portal e conhecido como Portal da Morte ou Portal de Omolu.

Isso é um ensinamento espiritual antigo, resguardado, e muito usado pelos Guias de Lei de Umbanda nas suas atuações o campo físico, que muitas vezes nos recomendam a não fazermos trabalho perto da hora grande da noite, ou meia-noite.

Por isso que aconselha-se na Umbanda que os trabalhos de direita sejam feitos entre as 6h00 e 18h00 ou enquanto houver sol; assim como os trabalhos de esquerda sejam feitos a partir do por do sol ou depois das 21h00, evitando o horário da meia-noite. Mas nada impede que, caso haja uma necessidade de realizarmos um trabalho fora desses horários. Apenas entendemos que nesses horários os trabalhos religiosos podem ser potencializados.

Saravá fraterno
Heldney Cals


[1] Claro que sabemos que esse tipo de trabalho pode ser feito a qualquer hora, assim como o oposto também se processa, podemos praticar o bem e realizar trabalhos positivos a qualquer hora. Porém entendemos que existe, dentro da própria dualidade terrestre, horários mais apropriados para um ou outro tipo de ação.

[2] Essa alternância tem a ver com a quantidade e movimentação de ions na atmosfera. Onde sempre que há mais sol, eles se agitam e geram mais energia, quando resfriam eles se acalmam e diminuem a geração de energia. E nosso corpo se ajusta naturalmente a essa oscilação.

[3] Sabemos que isso não influencia muito quando se trata de algo esférico e em rotação, mas precisamos criar um quadro mais estático para percebermos essas aberturas cósmicas.

[4] Essas horas, esses portais cronológicos têm muita influência no campo mágico, religioso e espiritual.

[5] Esses horários também são utilizados por outras religiões criando uma verdadeira egrégora de luz sobre o planeta totalmente universalista.

[6] Existe sempre a observação que são entre 6 e 18 horas em qualquer parte do planeta e por isso podemos trabalhar de forma atemporal a qualquer hora. Compreendemos e entendemos essa argumentação e até, de certa forma, concordamos com ela.

[7] Também conhecido como Portal de Maria ou das Mães Divinas.

[8] Aqui precisamos ter atenção ao ciclo de translação da terra, assim como a região.

[9] A dualidade, a polaridade positiva e negativa está presente o tempo todo em nosso planeta, mas o giro planetário faz com que essa polaridade se altere em determinadas regiões de acordo com o horário.

[10] A partir desse horário é o horário mais propício para o trabalhar com eles magneticamente falando, por isso que alguns terreiros iniciam suas giras de esquerda depois da 21h00.

[11] Dentro de alguns campos de magia, a meia-noite é considerada um campo de escuridão energética, por isso mais propicio a magias negativas.

Complemento do Texto[1]

Orientação não é proibição. Caso assim fosse, os próprios Guias de Umbanda não passavam trabalhos para serem feitos depois das 18h00.

Deste que conheci a Umbanda que vejo orientação dos Guias a respeito das horas e os meus Guias não fogem a regra.

Quantas vezes, não vemos os Guias passarem um trabalho e pedirem para que o mesmo seja realizado em determinado horário: seja bem cedo, logo pela manhã, ou até mesmo no nascer do sol; outros trabalhos pedem para que sejam feitos com o sol a pino, ou meio-dia; enquanto outros perto da hora do sol se por, ou mesmo depois do por sol e antes das 21:00. Inclusive pedem que alguns trabalhos sejam realizados próximos da meia-noite, respeitando os quinze minutos que antecedem e que ultrapassam a hora grande. E em casos mais raros as 0h00 em ponto. Tudo dependendo do propósito e da energia que eles querem se aproveitar para um melhor resultado do mesmo.

De modo simplista é como se por orientação da espiritualidade de Umbanda se dividisse a vibração do dia em direita e esquerda. Como se cada momento do dia estivesse mais propicio a determinada força ou vibração.

O fator da energia solar sempre foi utilizada, assim como a da lua em diversos trabalhos.

A espiritualidade sempre ensinou que deveríamos deixar a energia solar entrar em nossas casa, em nossa vida como componente de limpeza, energização astral e saúde. Todos sabem que “em casa que não entra sol, entra doença”. Isso porque a energia solar promove uma higienização no panorama astral e energético terrestre, limpando, purificando, consumindo vibrações mentais, emocionais e energéticas de baixa vibração. De modo comparativo podemos ver isso inclusive quando são descritos os ambientes astrais superiores e inferiores. Onde os mais elevados são descritos como belo e salutares, repleto de cores, energia e brilho enquanto os planos mais densos ou baixos, onde a energia solar não incide com intensidade, ou mesmo de forma nenhuma, são descritos como sombrios, onde a escuridão predomina e o ambiente é infestado de energias mentais, emocionais e espirituais negativas e prejudiciais.[2]

Saravá fraterno

Heldney Cals


[1] Resolvi escrever esse complemento de forma a sanar algumas questões que nos foram colocadas, e como algumas são de fórum pessoal ou a respeito de fundamentação de outras casas resolvi fazer essa explicação de forma generalizada como complemento do texto acima.

[2] Essa observação é apenas para criar um paralelo e uma reflexão entre a ação da energia solar nas pessoas e nos ambientes e não uma fundamentação de validação do que está exposto acima.