O termo obsessão espiritual foi difundido por Allan Kardec e designa um tipo de distúrbio, ou como o próprio a definiu uma doença espiritual. A obsessão espiritual se caracteriza quando um ou mais espíritos de carater inferior exercem uma influência constante sobre um outro ser, em especial sobre o seu psiquismo.

Kardec definiu três graus do processo obsessivo:
1. Obsessão simples

Esse processo é comum a todos os seres humanos e se caracteriza por influências psíquica, causando certa perturbação mental sem sinal percetíveis
2. Obsessão de subjugação

É quando o processo de perturbação psíquica amplia-se ao centro da afetividade e da vontade, desequilibrando os sentimentos e as ações psico-motoras levando o obsidiado a ter gestos ou atitudes estranhas contra a sua vontade.
3. Obsessão de fascinação

É quando o processo se eleva a tal ponto que afeta o senso de realidade do obsidiado, causando problemas de consciência, como também processos alucinatórios.

Segundo Kardec as causas dos problemas obsessivos ocorrem através de diversos fatores:

  • Fatores Kármicos (problemas reencarnatórios)
  • Tendências e comportamentos viciosos
  • Sentimentos e pensamentos negativos, etc.

Onde tais fatores devido a Lei de afinidade, atrai espíritos afins com seus magnetismos, criando assim um elo de ligação do ser encarnado com seus companheiros invisíveis.

“Diga-me com quem tu andas que eu te direi quem és.”
Jesus Cristo

Ou seja na visão de Kardec todos os processos obsessivos acontecem por uma única via, a de ressonância de afinidades vibratórias. Ou seja o espirito obsessor não é o único culpado dentro do processo, mas sim as imperfeições morais, espirituais e comportamentais do individuo encarando que devido ao seu próprio magnetismo atrai companhias espirituais desequilibradas. Assim sendo, o mesmo não pode ser visto apenas como uma vítima do processo, mas também como um agente causador ou responsável pelo mesmo, quer seja consciente ou inconsciente, na maioria dos casos. Pois a obsessão espiritual, assim como mediunidade é sintonia ou troca de vibrações afins.

Processo esse que será quebrado, ou curado através do esclarecimento e requalificação moral e comportamental, tanto do obsidiado, quanto do espirito obsessor.

Correto?
Corretismo, mas será que fica só por aí?

Sabemos que os espíritos desencarnados necessitam de um suporte material para permanecerem em nosso plano (plano reencarnatório ou neutro), visto que seu padrão energético é outro.

Os espíritos evoluído, por sua condição e magnetismo possuem um passaporte mais livre para o nosso plano, enquanto os espíritos negativos ou negativados necessariamente necessitam desse suporte.

Na grande maioria das vezes quem fornece esse suporte é o próprio agente obsidiado, que tal como foi dito por Kardec, necessita passar por uma requalificação de valores, tanto espirituais, como sociais, sentimentais e emocionas.

Na realidade todos necessitamos disso.

Mas na visão da Umbanda, ou pelo menos na visão do nosso templo, existem outros fatores matérias que tão o suporte a um processo obsessivo que não é apenas o obsidiado.

Como já afirmamos, todo espirito necessita de um suporte material para permanecer no nosso plano.

No primeiro caso, onde o agente encarnado fornece a sustentação, seu magnetismo espirito-material (ectoplasma) é sugado pelo agente espiritual que encontra nessa energia o meio necessário para permanecer em nosso plano.

Os sintomas disso são vários, e variam de intensidade, mas os mais comuns são…

  • Sentir-se sugado, esgotado energeticamente sem causa aparente.
  • Sentir-se triste ou irritado sem motivo
  • Dificuldades de dormir ou pesadelos frequentes
  • Visão de vultos
  • Audição de barulhos estranhos ou mesmo vozes, etc.

Porém temos outro caso, quando o espirito negativado é sustentado não pelo ser obsidiado, mas sim por uma terceira pessoa.

Mas como uma terceira pessoa pode sustentar um ser espiritual na vida de outro?

De duas formas.

  • A primeira é quando uma pessoa negativada, que é diferente de uma pessoa negativa, através de sentimentos desvirtuados levanta e projeta o seu “inferno pessoal” sobre outra pessoa através de um forte sentimento negativo de odio, inveja, desprezo, desejo desequilibrado, vibrações de ordem mental, emocional e verbal.

Nesse caso as irradiações e os seres a elas associados são sustentadas pela pessoa que está negativada, porem encontram ressonância no campo espiritual do alvo, visto que todos nós temos dificuldades de nos mantermos em padrões elevados constantemente.

  • A outra forma é quando num trabalho de magia negativa, onde os elementos energizados, magnetizados e imantados através de determinados rituais, funcionam como um ponto de sustentação dessas ações. E isso já não tem haver apenas com padrões de comportamentos desequilibrados.

Esses tipos de ação podem levar a ocorrência de problemas das mais diversas ordens: familiares, afetivos, saúde, profissionais, comportamentais, emocionais, etc.

Assim, tanto no campo da transformação comportamental, como nos casos de demanda (magia negativa), a Umbanda se mostra magnífica, pois na sua estrutura teológica possui doutrina, moral e ensinamentos que auxiliam na requalificação moral, emocional, social, psíquica, comportamental e espiritual dos seus adeptos. Como também possui ações magísticas e religiosas que anulam, cortam e defendem desses tipos de ação desvirtuada. Auxiliando o seu adepto ou a quem a ela socorre a reencontrar seu estado de paz, harmonia e equilíbrio.

Lembro que a obsessão espiritual é reconhecida pela Organização Mundial de saúde, onde no CID – Código Internacional de doenças – permite o diagnóstico de interferência espiritual obsessora, porém tratada por pessoas capacitadas para tal dentro de um contexto espiritual ou religioso.