Uma queixa comum a vários médiuns, principalmente quando não possuem o conhecimento, a firmeza e a orientação mediúnica necessária é o de absorção energética. Que é aquele sentimento de peso, de esgotamento, de dor de cabeça, cansaço, mal humor que muitas vezes acontecem depois de terem conversado com uma outra pessoa, ou frequentado determinados lugares.

Isso acontece porque todos nós somos dotados de um magnetismo chamado de mediunidade, e que devido a esse magnetismo somos capazes de sentir ou mesmo absorver vibrações alheias, que tanto podem nos prejudicar, como também serem trabalhadas, anuladas e recicladas por médiuns educados e preparados tanto em seu próprio beneficio como no dos outros. Pois essa característica nos permite detectar vibrações de pessoas e lugares, distingui-las e agir em função delas.

Afinal esse é um dos principais objetivos de nossa mediunidade, o auxílio.

Quando em desequilíbrio ou negativado, esse campo mediúnico pode causar alguns incómodos ao seu portador e o de absorver as energias alheias é um deles. E isso poderá gerar algum tipo de desconforto, em especial de ordem emocional.

Quando positivado e equilibrado, nosso campo mediúnico repele as cargas negativas e nocivas criando ao redor do médium uma aura de proteção.

Muitos são os médiuns que nos chegam querendo “se livrar” de sua mediunidade, como se ela fosse uma doença, devido a essa característica mediúnica.

Lembro que todos possuímos mediunidade e ela não pode ser tirada de ninguém, o que pode é ser educada, equilibrada, e transforma-la numa ferramenta de crescimento e expansão de nossa consciência. Porém, apenas aqueles que a possuem em maior grau de evidência é que são chamados de médiuns.

Lembro que o problema não está na faculdade em si, mas sim no padrão magnético do individuo que está em desajuste vibratório devido aos seus padrões de crença, de pensamento e de comportamento seja ele emocional, sentimental, ou mesmo social e familiar.

Assim o que tem que precisa se mudado ou se preferirem positivado ou curado é a vibração, a energia do médium que está em desequilíbrio. Para isso tem que haver de sua parte uma vontade de mudar, de crescer, de aprender e estudar não só sua mediunidade como também a si próprio.

Sabemos que essa mudança não se processa do dia para noite e que para que ela ocorra é necessário não apenas os requisitos que listamos acima, como também tempo e auxílio real, pois muitas vezes essas vibrações já estão de certa forma internalizadas no campo mediúnico e mental do médium criando um obstáculo não só para o seu reequilíbrio como também para o seu desenvolvimento.

Dentro do ritual de Umbanda, vários são os recursos utilizados pelos Guias de forma a auxiliar o médium no descarrego de suas cargas energéticas.

Exemplos:

  1. Transporte: Onde um médium preparado absorve essas cargas e reencaminham.
  2. Oferenda na natureza: Onde o médium firma uma vela e oferece alguns recursos naturais pedindo o auxílio e encaminhamento dessas forças.
  3. Firmezas de forças e poderes: Onde o médium no seu devido tempo e através de rituais específicos “assenta” suas proteções, em especial: Anjo da Guarda, Guardiões da Direita (caboclo), Guardiões da Esquerda (Exus e Pombagiras) e Orixá.

Essas firmezas não só criam um campo protetor ao redor do médium como também funcionam com uma espécie de “para-raios” resguardando o médium de alguns tipos de energias ou trabalhos negativos.

Por norma (pelo menos na nossa casa é fundamento) um dos primeiros trabalhos realizados pelos Guias é a firmeza do Anjo da Guarda do médium.

Nosso anjo guardião tem uma ligação profunda com as nossas vibrações internas, por isso que é tão corriqueiro se ver nas giras de Umbanda o Guia pedir para firmar uma vela para o Anjo da Guarda do assistido.

Só que esse trabalho pode ser potencializado com a realização do assentamento (firmeza de poder) do Anjo da Guarda, onde através de um ritual especifico é “fixado” o poder do anjo guardião, criando um portal de conexão com suas forças que não só imantará o médium com um magnetismo protetor, como também o auxiliará a repelir energias malfazejas endereçada ou atraída pelo próprio médium.

Esse assentamento em nosso Templo é uma obrigação para todos os médiuns que se predispõe a se desenvolver, como também é aberto a todos que queiram aprender um pouco mais sobre umbanda e ter em suas mãos uma poderosa ferramenta de proteção, equilíbrio e cura.

Esse assentamento aberto é realizado em nossa casa no Curso de Introdução a Umbanda.