Senhor da Magia, dos caminhos, das porteiras, das encruzilhadas. Exu talvez seja o mais controverso e humano dos Orixás.

Exu é alegre, irreverente, irrequieto.

Exu é mágico, é misterioso e é dual, o que o torna de difícil compreensão.

Exu é luz, mas também é trevas; Exu é razão, mas também é emoção…

Exu actua no alto, mas também no em baixo, Actua no positivo, mas também no negativo, porém isso não quer dizer que Exu é ruim. Como já falamos em outro texto – Exu Mirim – não existe em Deus uma divindade ruim.

Exu é Orixá!

E como Orixá, Exu é divindade, é uma personificação, é uma qualidade de Deus.

Exu é a vitalidade, é a força de acção, é a dinâmica divina.

No antigo culto africano Exu é virilidade, é vigor, é potência. Exu é tudo isso e muito mais.

Exu é o vitalizador divino, pois sem Exu nada se revigora, nada tem força, nada sobrevive.

Por isso exu é vital.

Exu vitaliza nossa fé, nosso amor, nosso conhecimento, nossa vida, etc. …

Exu ampara, resguarda e protege nossas virtudes, mas também desvitaliza nossos vícios e nos confronta com nossos próprios erros, pois Exu e desafiador do que está mal.

Exu é Lei, e como Lei é absorvedor do nosso negativismo, é esgotador cármico por excelência.

Exu é guardião, é amigo, é companheiro, amparador e auxiliador de nossa caminhada.

Exu nos abre os caminhos e nos da força para que possamos seguir por ele.

Exu actua no “em baixo”, e resguarda os mistérios da criação.

Exu é a linha que nos separa do bem e do mal.

Exu é amigo, aliás o melhor amigo.

Exu é Lei, é vida, é amor é alegria.

Por isso e muito mais devemos amar Exu e não teme-lo, há menos que você esteja mal intencionado.