Orixás: Divindades e Arquétipos

Dentro da visão da Umbanda, os Orixás são princípios divinos constituintes de toda criação e claro presentes em todos os seres.

São vibrações, são energias, são poderes divinos diferenciados, mas não individualizados do Criador, são dentro do contexto religioso divindades.

São forças supremas ou divinas e não espíritos divinizados, que foram antropomorfizados no passado, obedecendo a um processo inteligente e mitológico. E a mitologia, com as suas alegorias simbólicas formam um conjunto arquetípico de transmissão de um conhecimento, que é, a grosso modo, a forma que devemos nos relacionar com O Todo, com O Sagrado, com Deus e com a sua criação. Assim, dentro da visão mitológica, cada Orixá recebeu um aspecto intelectual e humano de uma “coisa” que é algo único para que nós possamos melhor entende-la e assim, melhor estabelecer contacto com essa realidade superior.

Em suma, os Orixás são potenciais divinos que se manifestam em toda criação, e consequentemente dentro de cada um de nós. Assim, Orixá é uma força, uma dimensão divina, oculta na essência do ser e que se manifesta em nossa vida através do psiquismo humano, através de organizações denominadas de arquétipos.

Arquétipos, Ler restante »

Prosperidade e caridade -Texto inspirado pelo sr. Exu do Ouro

Sei que algumas de vocês que lerão esse pequeno texto podem não gostar, reclamar e criticar. Alguns podem me chamar de injusto ou mesmo de insensível. Mas não fui eu que criei as leis do Universo, as leis da vida, não sou eu o responsável pelo mecanismo de acção e reacção.

Assim como, não sou eu o responsável pela riqueza ou pela pobreza de alguém. O máximo que posso fazer é ajudar, é auxiliar aqueles que se põem numa posição correcta perante o meu mistério. Aqueles que não se põem nessa condição, por eles nada eu posso fazer, a não ser esperar que se ponham em uma posição melhor para que eu possa auxilia-los. Assim, para aqueles que se dedicarem a ler esse texto, eu os convido a ler com neutralidade, sem pré-julgamentos, sem emoção para que possam reflectir sobre o que eu tenho a dizer.

Como já devem saber, a pior pobreza que existe é a pobreza de espírito, de consciência. Uma alma próspera, prospera; um espírito pobre, empobrece.

“Porque a todo o que tem, tudo lhe será dado, e terá em abundância;

mas ao que não tem, até aquilo que tem ser-lhe-á tirado”.

Matehus

Prosperidade não é apenas uma questão de recursos financeiros, claro que a abundância de recursos financeiros pode ser um indicador de prosperidade e talvez aquele que é mais procurado no mundo de vocês. Mas prosperidade é muito mais do que recursos financeiros, muito mais do que dinheiro. Prosperidade é atitude, é falta de escassez na vida e na alma. É um estado de amor e plenitude onde você  mesmo não sentido a falta de nada procura ter cada vez mais e melhor. Pois quando mais valores internos e externos um espírito tem agregado em sua vida, maior será sua capacidade de contribuir de colaborar com o progresso do meio e da vida.

Prosperidade é um estado de alma, de consciência. É adquirir, desenvolver os valores da alma, do espírito. É ser grato, é ser honesto, benevolente, integro, esforçado, digno, corajoso, disciplinado, etc. Todos devem saber o que são valores. Já abundância é consequências de suas atitudes prósperas.

Caridade não é simplesmente esse negócio que muitos falam e que mais alimenta ao ego e a vaidade do individuo que se auto-julga bonzinho, ao mesmo tempo em que alimenta a condição de vitimismo e de acomodação humana. A verdadeira caridade é o processo que promove o despertar da consciência do individuo.

Não digo que não seja importante dar, partilhar, contribuir com quem precisa e merece, claro que é. Mas isso não pode ser feito indiscriminadamente. E nem precisa ser algo penoso para você. Afinal a verdadeira caridade, o verdadeiro amor, o verdadeiro cuidado começa consigo mesmo. Por isso antes de “fazer o bem sem olhar a quem”, é preciso parar, analisar, perceber quem precisa do peixe, quem precisa da vara e quem precisa do lago. Qual é a intenção de quem está do outro lado. Não dá é e não pode ser igual para todos. É preciso bom senso! Pois muitas vezes o mal pode estar disfarçado de uma boa ação.

Infelizmente o conceito de caridade se deturpou a muito e para muitos espiritualistas, umbandistas, caridade é o acto de ser bonzinho, dar de graça o que de graça recebeste, não é mesmo? Quem sabe assim estão a garantir a sua vaga no céu ou em Aruanda. Desprenda-se de tudo que é material, viva uma vida simples, humilde e miserável por que o rico não entra no reino dos céus?

Riqueza não é sinonimo de pecado. Querer tirar vantagem perante o prejuízo dos outros, agir com segundas intenções. ser desonesto, melindroso, mesquinho, preguiçoso é que é!

Na realidade talvez haja muito mais ricos honestos do que pobres, pois não precisam ficar dando jeitinho, tirar vantagens a custas dos outros para conseguirem o que querem.

A final não há mal nenhum na riqueza, nem no dinheiro. O mal está no seu entendimento e na forma que o utilizam.

Dinheiro, tal como magia é energia. E Energia é movimento, é transformação, é crescimento e desenvolvimento, é dinamismo. Mas a deturpação do seu conceito pode virar algo negativo, prejudicial e nefasto, e trazer graves consequências tanto no plano material, como no plano mental, emocional e espiritual.

O problema não está na magia ou no dinheiro, está na falta de consciência, na falta de prosperidade espiritual para saber lidar com recursos espirituais e materiais da vida.

No universo nada é dado, a não ser a própria vida que já lhe deu tudo que você precisa para você ser um sucesso e viver em abundância e prosperidade.

“Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância”
João

O que falta talvez seja você despertar ou desenvolver os seus potenciais que estão latentes em sua alma.

Na vida tudo é mérito e mérito só tem quem faz! E só quem faz é aquele que tem a atitude de querer crescer, de aprender e de se desenvolver perante a vida. Esse é aquele capaz de prosperar e progredir. Aquele que nada faz, quem tudo espera e de tudo reclama nada chegará com glória à sua mão. Aquele que não valoriza a si mesmo, o trabalho dos outros, que não respeita a condição alheia, que está sempre a reclamar a querer tirar vantagem e a clamar, a esperar que os outros resolvam sua situação não tem espaço para prosperar em sua vida, pois sua alma está cheia de miséria.

Só aqueles que fazem por ter é que são capazes de receber. Só aquele que tem, que conquistou é que pode dar alguma coisa. Volto a dizer, não estou a falar apenas de dinheiro. Cada um só pode dar o que tem. E só conquistando que se dá e é só dando é que se recebe mais, pois esse é o fluxo de troca e generosidade do universo.

O Universo é um sistema de troca, de partilha e de desenvolvimento constante e que clama pela participação de todos. Todos podem de alguma forma contribuir para uma vida melhor.

Alimentar a condição de vitimismo, de acomodação humana indiscriminadamente através do processo da caridade é a maior desajuda que você pode dar ao ser humano. Pois infelizmente há pessoas que sobrevivem da caridade alheia, onde só querem receber e se manter sustentada em sua condição de pobreza interior. O verdadeiro merecedor de caridade é aquele que quer ajuda para crescer, para se desenvolver, para se melhorar, para poder também partilhar e contribuir com o universo.

Caridade e prosperidade é um fluxo de movimento que acontece quando estamos contribuindo com o processo de crescimento e desenvolvimento do ser e do universo. A maioria dos “necessitados” que clamam por caridade são pessoas egoístas, pobres de espírito que só pensam em si, nunca estão dispostos a fazer, a colaborar, a contribuir e a retribuir com nada. Só querem receber, nunca tem condição de ajudar, de colaborar nem consigo mesmo, muito menos com o universo.

“A maior ganância, a maior ilusão de quem é pobre de espírito

é querer colher do fruto que não plantou”.

Exu do Ouro

Caridade é o fluxo de desenvolvimento da alma, do desenvolvimento das virtudes internas, como amor, inteligência, boa-vontade, paciência, disposição ativa, etc. Por isso que prosperidade independe do estatuto social, intelectual do individuo, mas depende do fluxo de ação da atitude que se tem perante a vida, depende de querer aproveitar as oportunidades da vida e trabalhar para o seu próprio desenvolvimento, assim como o do meio.

Prosperidade não entra na vida de pessoas egoístas, mesquinhas, vitimistas, imediatistas e pequenas.

Prosperidade é para a vida daqueles que querem desenvolver a si próprios, querem se melhorar e se esforçam, se dedicam a essa ação sem medo, com amor, com boa vontade e sem reclamação, pois sabe que toda semente no momento certo dará seu fruto e ele o poderá colher em abundância, por que é seu, porque fez por isso e pode fazer com ele o que quiser. Inclusive ajudar os outros, mas isso tem que vir naturalmente da alma, do espírito. E quando vem dá alma, do espírito não existe nenhum processo de sacrifício.

É seu comportamento que define a sua realidade, são seus comportamentos, pensamentos, sentimentos e ações que impactam na estrutura da vida e moldam sua experiência na matéria. Pois ela na verdade nada mais é do que a realidade do espírito se manifestando na realidade física.

Assim, antes de querer enriquecer de fora para dentro, por que isso sempre traz um ónus, enriqueça de dentro para fora para que a prosperidade e abundância seja algo prazeroso, desenvolvedor e libertador do seu espírito.

Fundamentos de Umbanda

Antes de começar a falar sobre os fundamentos de uma casa de Umbanda que é o motivo desse texto. Eu gostaria de explicar algumas coisas que fundamentam a minha visão.

Sou de um tempo onde as casas de Umbanda possuíam mais assistência do que médiuns e mais médiuns do que dirigentes. Onde nós aprendíamos Umbanda com os chefes espirituais e físicos da casa, assim como, com as nossas entidades quando já possuíamos firmeza o suficiente para isso.

O terreiro que frequentávamos era a grande escola. Não era em cursos ou na internet que buscávamos informação, até por que os mesmos não existiam na época. Livros eram de difícil acesso e raros de se encontrar. Aprendíamos por meio empírico, através da observação e de conversas com o dirigente e com as entidades.

Mesmo nesse período, eu aprendi que cada núcleo de Umbanda é um organismo vivo, que se ajusta e se adapta de acordo com as necessidades espirituais e materiais da casa, assim como, as de seu corpo mediúnico. Onde as regras e os fundamentos de apoio, sim existem fundamentos basilares e de sustentação, são adaptáveis, ajustáveis e mutáveis pela regência da casa de acordo com os objetivos pretendidos. Aprendi que nada é fixo e tudo está em constante mudança, em transformação e em aperfeiçoamento.

Diferente de hoje, Ler restante »

O poder dos rituais

De um modo geral, todos os rituais mágicos, religiosos e espirituais são bastante efectivos. Ou seja, eles agem e funcionam sempre. Porém a forma de acção e o resultado não dependem exclusivamente do ritual por si só.

Isso significa que os rituais vêm criar os meios, vêm dar as condições para que possamos assentar em nós uma energia, uma vibração adequada, para que tenhamos as melhores condições possíveis (energeticamente falando) de resolver o nosso problema, de buscar o que é nosso por direito.

Lembre-se de que ninguém vai nos dar o que não nos pertence, ninguém vai nos dar algo se nós não fizermos por onde e que no universo nada é dado, tudo é conquistado.

Assim, o propósito de um ritual é criar um campo vibratório coadunante com aquilo que nós precisamos, com aquilo que vamos através de nossa força de vontade, de nossa fé, de nossa acção buscar, fazer por merecer, pois só assim algo pode ser de facto meu.

Aqui, se faz importante lembrar ou esclarecer, que toda acção energética, magística e mediúnica se estabelece em nossa vida através da lei de ressonância, que nesse caso representa a média do que vibramos em nosso íntimo. Ler restante »

Vela – Elemento de Poder

Velas-Elemento de Poder

Muitas vezes nos questionam se pode ou não acender velas dentro de casa?

Muitos com medo de atrair maus espíritos para dentro de sua casa devido a sua luz. Ora, se assim fosse o que seria das lâmpadas que temos em casa?

Sabemos que as conexões com entidades se estabelecem por afinidade vibratória e não apenas por causa de uma vela firmada, principalmente quando não é esse o seu propósito.

Posso dizer que sempre acendi velas dentro de minha casa e nunca tive nenhum tipo de problema por causa disso, muito pelo contrário. Sempre me senti muito bem com sua presença e com as conexões de forças sustentadas por elas. Ler restante »

Lei de Atração e a Reforma Íntima

lei-de-atracaoMuito se fala da Lei de Atração. Muito se fala da necessidade de pensarmos positivo para atrairmos coisas positivas para nossa vida.

“ Pensamento positivo, atrai coisas positivas.

Pensamento negativo, atrai coisas negativas”

Sabedoria popular

Mas será mesmo que basta apenas pensar?

Ou é preciso algo mais?

Claro que pensar ajuda, mas esse pensar tem que ser algo natural e não forçado, porém temos que nos esforçar até que seja um pensamento natural[1].Pois só sendo natural é que vibramos e reverberamos a partir de nosso íntimo essa energia positiva e magnetizamos o universo a nossa volta.

Porém como fazer isso, sem fazer um investimento interior, intelectual, emocional, moral e espiritual? Ler restante »

Pai Oxalá e Jesus Cristo – o Avatar Solar

o-avatar-solarQuando estudamos umbanda, estudamos essencialmente os Orixás, que são princípios cósmicos da criação, humanizados em forma de Divindades para que possamos melhor compreende-los, visto que sua dimensão e amplitude é bem maior do que a mente, a consciência e o conhecimento humano é capaz de abranger.

Aprendemos deste de cedo a fazer correspondência ou um sincretismo religioso com os ensinamentos católico, onde os Orixás são representados por Santos. Porém de todos os Santos, de todo o panteão católico só existe um Orixá a qual todos temos uma ideia comum enquanto ao seu sincretismo, que é o de Oxalá, sincretizado e incorporado na figura de Jesus.

Assim decorrer um pensamento sobre Oxalá e Jesus, não é tarefa fácil. Pois se um não é ou outro, pelo menos são os mesmos.

Confuso?
Sim, mas explicável. Ler restante »

Médiuns e as dificuldades da vida

Vivemos num planeta, ou num plano espiritual de expiações e provas.

Existe uma Lei Maior que regula todas as reações da vida[1], e não existe como anula-la, neutraliza-la de forma mágica ou milagrosa. Ninguém vai conseguir limpar o seu karma, nem isentar você dos seus aprendizados, ou mesmo, se assim preferir, das suas lições de vida.

A única forma que eu conheço para diminuir as dificuldades existentes nos caminhos, sejam elas materiais, financeiras, profissionais, sentimentais, espirituais, energéticas, etc. é realizar um trabalho de investimento interior, de reeducação interna, procurando desenvolver um maior equilíbrio psíquico, emocional, comportamental, ético e espiritual.

Ninguém pode fazer um curso, um tratamento, um trabalho espiritual acreditando que ficará livre de seus aprendizados na vida, alguns até mesmo dolorosos Ler restante »

O trabalhador é meu, mas o pensador é seu”!

Depois de algum tempo frequentando a Umbanda, quando tinha aproximadamente catorze anos escutei pela primeira vez esse ensinamento por partes dos Guias que assessoravam D. Francisca[1].

De início não entendia bem o que os Guias queriam dizer com essa afirmação, por isso, me concentrava com todas as minhas forças na hora de tomar um passe ou mesmo receber o receituário mágico dos Guias.

Porém, todas as semanas eu ia ao terreiro, e todas as semanas, na hora em que eu era atendido escutava o mesmo ensinamento: “filho, o trabalhador é meu, mas o pensador é seu!” E assim Ler restante »

Princípio Exu

No universo existe um poder regulador do caos e da desordem.
Esse poder é uma Lei Divina, Soberana, um Princípio Cósmico, uma força viva da Natureza que regula os desequilíbrios onde quer que eles se apresentem. Essa força reguladora da Lei que rege os entroncamentos energéticos, é o poder primordial que se opõe ao caos e estabelece o equilíbrio, regulando as forças da evolução.

Essa força na Terra, dentro da realidade humana, na visão da Umbanda é interpretada e entendida como uma divindade, como um Orixá, como Exu.

Orixá é um poder divino, uma emanação de Deus, um simbolismo ou um entendimento das Energias Superiores da Criação que vibram e atuam muito além da realidade e do conhecimento humano.

Dentro da ação espiritual humana essa força se dá a conhecer e se manifesta através de espíritos humanos que se sintonizam com essa “consciência” reguladora e que assumem a função de restabelecer a ordem e o equilíbrio. São agentes da Lei Ler restante »